Atenção! O Portal dos Bancários RS utiliza cookies neste site, eles são utilizados para melhorar a sua experiência de uso e estatísticos.

#DIVERSIDADE | 28/06/2024
Dia do Orgulho LGBTQIAPN+ reforça debate sobre desafios contemporâneos

Nesta sexta-feira, 28 de junho, em todo o mundo ocorrem celebrações pelo Dia Internacional do Orgulho LGBTQIAPN+, também conhecido como Dia do Orgulho Gay. A data foi criada para refletir e reivindicar sobre direitos à comunidade, a partir de um evento histórico significativo: a Rebelião de Stonewall, ocorrida em 1969, em Nova York. "Naquele ano, frequentadores do bar Stonewall Inn resistiram a uma invasão policial que tinha como objetivo reprimir e prender indivíduos por sua orientação sexual e identidade de gênero", explica a secretária da Juventude da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e militante LGBTQIAPN+, Bianca Garbelini.

A resistência e os protestos subsequentes catalisaram o movimento moderno pelos direitos LGBTQIAPN+, tornando o 28 de junho um marco para a luta pela igualdade. Stonewall simboliza, assim, a força da comunidade ao transformar a indignação em ação organizada, inspirando marchas e paradas ao redor do mundo.

Garbelini reforça que a celebração da data transcende a mera comemoração, servindo como um lembrete da luta contínua por igualdade e aceitação. “A visibilidade proporcionada por essa data é crucial para sensibilizar a sociedade sobre os desafios enfrentados pela comunidade LGBTQIAPN+. A data também oferece oportunidade para educar e promover a inclusão, criando um ambiente onde todas as pessoas possam expressar sua identidade livremente e sem medo”.

A dirigente da Contraf-CUT destaca que, em muitos lugares, as paradas do orgulho são eventos que combinam celebração com ativismo, reunindo milhares de pessoas em uma demonstração pública de solidariedade e diversidade. A importância dessa visibilidade é ressaltada em contextos, onde políticas e práticas discriminatórias ainda prevalecem, ressaltando a necessidade de continuar a luta por direitos iguais.

Dados de violência e preconceito

O preconceito contra a comunidade LGBTQIAPN+ é considerado crime no Brasil desde 2019, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) equiparou a homofobia e a transfobia aos crimes de racismo. Essa decisão marcou um avanço significativo na luta pelos direitos civis e na proteção da comunidade contra discriminações e violências motivadas pela orientação sexual e identidade de gênero. Contudo, os dados revelam uma realidade alarmante: de acordo com o Dossiê de Mortes e Violências contra LGBTI+, preparado pelo Observatório de Mortes e Violências LGBTQIAPN+, o Brasil registrou mais de 1.600 mortes de pessoas LGBTQIAPN+ nos últimos 10 anos.

Em 2023, foram contabilizadas 345 mortes, um aumento preocupante que evidencia a persistência da violência extrema contra essa comunidade. Na avaliação de Bianca Garbelini, “os números alarmantes de violência ressaltam a urgência de medidas efetivas para garantir a segurança e os direitos fundamentais dessas pessoas, independentemente de sua orientação sexual ou identidade de gênero”.

Segundo dados de outra entidade, a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), o Brasil registrou 131 assassinatos de pessoas trans em 2020, o maior número do mundo. Além disso, a ONG Grupo Gay da Bahia (GGB) aponta que uma pessoaLGBTQIAPN+ é morta a cada 19 horas no país. Esses números alarmantes evidenciam a necessidade urgente de políticas públicas efetivas e de uma mudança cultural que promova o respeito e a segurança para todos.

“A violência contra pessoas LGBTQIAPN+ não se limita a ataques físicos; ela inclui também violência psicológica, discriminação no ambiente de trabalho, escolar e na família. Estudos mostram que a população LGBTQIAPN+ enfrenta taxas mais altas de depressão e suicídio, muitas vezes devido ao preconceito e à exclusão social”, pontua a secretária de Políticas Sociais da Contraf-CUT, Elaine Cutis.

Tema na Campanha Nacional

"O respeito à diversidade é um dos temas presente na mesa igualdade de oportunidade, de negociação com os bancos", esclarece Bianca Garbelini, ao lembrar que a categoria está em meio a Campanha Nacional para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), com todos os bancos, e para os Acordos Coletivos de Trabalho (ACTs) específicos com os bancos públicos. "O movimento sindical bancário, ao longo dos anos, se tornou referência para outras categorias, nas mesas de negociação, graças a esse empenho em debater o tema e, com isso, alcançar cláusulas trabalhistas para a comunidade com os bancos", completa.

Em 2000, os trabalhadores e as trabalhadoras bancárias conquistaram a inclusão do tema igualdade de oportunidade nas mesas de negociação. Em 2009, foi a vez da licença-maternidade de 180 dias, com extensão de direitos aos casais homoafetivos. "Recentemente tivemos uma outra conquista, na Caixa de Assistência de Saúde dos funcionários do Banco do Brasil (Cassi), que é a criação de um núcleo de atenção à saúde para a população LGBTQIAPN+. Nós vamos reforçar essa questão nas mesas com os bancos, para que outras empresas pratiquem essa iniciativa tão necessária aos aspectos de saúde física e saúde mental da população LGBTQIAPN+", conclui Garbelini.

Combate ao preconceito no trabalho

O ambiente de trabalho é um espaço onde a discriminação ainda se faz presente. Para combater esse preconceito, é essencial que as empresas implementem políticas inclusivas e que promovam uma cultura de respeito. Medidas práticas incluem:

- Treinamento e sensibilização: Promover workshops e treinamentos sobre diversidade e inclusão para todos os funcionários. Esses treinamentos devem abordar não apenas a conscientização, mas também fornece ferramentas práticas para lidar com situações de discriminação.
- Políticas de não-discriminação: Adotar políticas claras contra a discriminação e o assédio baseados na orientação sexual e identidade de gênero. Empresas devem estabelecer canais seguros e confidenciais para que funcionários possam denunciar casos de discriminação.
- Apoio e recursos: Disponibilizar redes de apoio, como grupos de afinidade LGBTQIAPN+, e recursos para aqueles que enfrentam discriminação. Isso pode incluir programas de mentoria e suporte psicológico.
- Liderança inclusiva: Incentivar líderes e gestores a serem modelos de comportamento inclusivo, promovendo uma cultura corporativa que valoriza a diversidade. Líderes devem ser treinados para reconhecer e combater preconceitos inconscientes, criando um ambiente de trabalho onde todos se sintam valorizados.


Fonte: Contraf-CUT

OUTRAS MATÉRIAS
#CAMPANHANACIONAL | 19/07/2024
Começou a negociação sobre igualdade e diversidade com a Caixa
Além da negociação em si, expectativa é que reunião traga resposta da Caixa quanto ao GT Tripartite sobre a Funcef; Comitê de Diversidade entregou ao banco um documento com considerações sobre o Programa de Diversidade e Inclusão da Caixa.
#CAMPANHANACIONAL | 19/07/2024
Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades
Para CNFBB, Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião.
#CAMPANHANACIONAL | 19/07/2024
COE Bradesco entrega minuta de reivindicações dos bancários
Documento aborda temas cruciais como a manutenção dos empregos, segurança das agências e contratação da remuneração total dos trabalhadores.